Blog Cão Terapeuta

Artigo científico > Intervenções Assistidas por Animais e Estresse

de Carvalho, I.R., Nunes, T., de Sousa, L., Almeida, V., The Combined Use of Salivary Cortisol Concentrations, Heart Rate and Respiratory Rate for the Welfare Assessment of Dogs Involved in AAI Programs, Journal of Veterinary Behavior (2019).⁣

Adaptação e tradução: Tatiane Ichitani⁣

As Intervenções Assistidas por Animais (IAAs) são cada vez mais populares em todo o mundo. Apesar de todos os seus benefícios potenciais, existem algumas observações importantes para os seres humanos e animais envolvidos em programas de IAAs que não devem ser desconsiderados, como o estresse dos animais.⁣

Este estudo teve como objetivo investigar o bem-estar dos cães durante as IAAs, em Portugal. Três indicadores de bem-estar relacionados ao estresse foram avaliados em dezenove cães de dezenove duplas condutor-cão: concentração de cortisol salivar (CS), frequência cardíaca (FC) e frequência respiratória (FR).⁣

Essas medidas foram realizadas em dois momentos: em casa e pós-sessão. Juntamente com o monitoramento desses indicadores, foi entregue um questionário para cada condutor responder antes da coleta da amostra, com dados demográficos sobre o seu cão e para caracterizar a sessão de IAA em que estiveram envolvidos.⁣

Foram encontradas diferenças significativas entre os valores médios/medianos em casa e após uma sessão da IAA, com os valores pós-sessão mais altos. Cães envolvidos em Atividades Assistidas por Animais (AAA) apresentaram valores médios de FC significativamente maiores após a sessão, quando comparados aos envolvidos em terapias com animais, apesar de todos estarem dentro da faixa normal.⁣

Os cães submetidos a um tempo de transporte superior a cinquenta minutos também apresentaram FC média e FR mediana significativamente maiores pós-sessão. A maioria dos cães (n = 15) apresentou valores de concentração salivar de cortisol dentro do que é considerado a faixa normal (<0,3 µg / dL), com apenas um cão tendo valor extremamente alto (1,101 µg / dL) atribuído às características da própria sessão. ⁣

A análise dos três indicadores não fez suscitar grande preocupação com o bem-estar dos cães monitorados, mas algumas práticas que devem ser evitadas foram identificadas: transporte prolongado para o local da AAI (≥ 50 minutos); realizando IAA em salas excessivamente quentes; e ingressar nas escolas durante as brincadeiras das crianças.⁣

Devem, de preferência, entrar no local durante um período mais calmo, talvez até através de uma entrada separada para evitar interações desnecessárias, e sessões de planejamento que permitam ao cão liberdade de movimento.⁣

Artigo original em https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1558787819300218.

Foto: Freepik